Header Ads

Multishow define exibições de inéditos e perdidos de "Chaves" e "Chapolin"

COMPARTILHAR NOTÍCIA

Divulgação

Detentora dos direitos de todos os episódios de "Chaves" e "Chapolin" na TV por assinatura, o Multishow prepara a exibição de nove títulos nunca antes mostrados no Brasil e outros dois considerados "perdidos", que estava fora do catálogo da Televisa.

Essa leva começará a ir ao ar agora em dezembro e se estenderá até janeiro.

Muito esperado pelos fãs das obras de Roberto Gómez Bolaños, o inédito “A história não contada de Juleu e Romieta – Parte 1”, de "Chapolin", vai ao ar dia 16 de janeiro. 

Antes disso, o Multishow exibe os perdidos “Com essas pulgas não se brinca de pula-pula/Dr. Chapatin e o contrabando” no dia 11 de dezembro e “Errar é humano – Parte 1”, este de "Chaves", em 1º de janeiro.

Outros títulos inéditos programados para dezembro são “Exibição de ioiôs”, “Uma confusão de bolos”, “Os astronautas” e “Deus ajuda quem cedo madruga”, todos do "menino do oito".

De "Chapolin", serão “Branca de Neve e os sete tchuim tchuim tchum claim – Parte 3”, “Onde está Clarissa?”, “A mansão dos fantasmas” e “O show deve continuar – Parte 1”.

As duas produções vão ao ar diariamente no Multishow, a partir das 23h15.

Isso, isso, isso

A Globosat adquiriu os seriados mexicanos em janeiro de 2018, em notícia que caiu como uma bomba. Até a estreia, em maio, dispensou grande atenção às obras, atitude muito elogiada pelos fãs.

Com uma equipe que entende do assunto, como Peterson Adriano, Eduardo Gouvea, Gustavo Berriel e Antonio Felipe Purcino, o Multishow organizou todos os episódios em ordem cronológica, resgatou trilhas e aberturas originais e ainda conseguiu reunir todos os dubladores vivos para as tramas que não haviam ido ao ar no SBT.

A resposta veio na audiência. No primeiro dia de exibição, em 21 de maio, "Chaves" e "Chapolin" chegaram a 1 ponto, o que é muito bom no universo da TV paga, vencendo a Band e ficando entre os cinco e seis programas, respectivamente, mais assistidos na ocasião.



Por Fabrício Falcheti