Publicidade
Publicidade
Publicidade 350x190
Publicidade 350x190

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Revoltado com arbitragem, Fluminense tentará anular Fla-Flu

Compartilhar Notícia no Twitter e Facebook

O presidente do Fluminense, Peter Siemsen
O presidente do Fluminense, Peter Siemsen, diz que a "regra tem de ser igual para todos" (Leonardo Benassatto/Futura Press/Folhapress)

O gol duas vezes anulado do Fluminense – aparentemente por influência externa, ainda que corretamente – diante do Flamengo deixou a equipe tricolor revoltada com a arbitragem na noite desta quinta-feira. O técnico Levir Culpi e os jogadores foram orientados a não dar entrevistas após a derrota por 2 a 1, em Volta Redonda, mas dirigentes do Fluminense prometeram protestar contra o árbitro Sandro Meira Ricci e cogitaram até pedir a anulação da partida.

O presidente Peter Siemsen afirmou que recorrerá à Justiça desportiva para anular o duelo, pois, segundo ele, ficou claro que houve interferência externa na anulação do gol de Henrique, o que é proibido pelas regras da Fifa. “Sou o maior defensor do uso de vídeo, mas ele ainda é irregular e a regra tem de ser igual para todos. Esse jogo tem que ser anulado”, disse Siemsen à Rádio Tupi.

Jorge Macedo, diretor executivo de futebol , reclamou não apenas da interferência externa, mas de impedimento no primeiro gol do Flamengo, marcado por Réver. “Houve uma barbaridade na arbitragem brasileira. Prejudicou o Fluminense no primeiro gol do Flamengo. Goleiro é impedido de sair. A interferência externa é uma lambança que não tem tamanho, é ilegal. Treze minutos dentro do campo, permitindo a entrada de pessoas estranhas no gramado… Empurrou até que ficasse claro o lance com a ajuda externa. Deu pouco acréscimo também, destruiu o espetáculo. Não vamos ficar de braços cruzados”, prometeu.

Jorge Macedo explicou que decidiu preservar a comissão técnica e os jogadores, orientados a não dar entrevistas para evitar punições. Macedo garantiu que o trio de arbitragem estava inteiramente perdida. “O bandeira achava que o gol tinha sido do Cícero. Perguntou ao Sandro quem fez o gol. O Sandro diz que foi o Henrique. O gol foi validado. E depois veio toda a confusão, causada pelas imagens da TV”, afirmou.

O único jogador do Fluminense a falar na saída de campo foi o zagueiro Henrique, pivô da discussão. Ele ironizou o comportamento do adversário, que está a ponto do líder Palmeiras. “Se tem gente que está correndo atrás de título, nós também estamos correndo em busca de objetivos. Fomos prejudicados”, reclamou o atleta.

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, minimizou a reclamação do adversário e acredita que o Fluminense desistirá do pedido de anulação. “Eu até estou achando que os dirigentes do Fluminense vão pensar bem e não vão querer se beneficiar de um lance que foi claramente ilegal.”

O lance da discórdia – O gol de Henrique aconteceu aos 39 do segundo tempo, após cobrança de falta de Gustavo Scarpa. Imediatamente, o assistente Emerson Augusto de Carvalho assinalou impedimento. Henrique protestou, dizendo que ele havia marcado o gol e não estava impedido. O árbitro Sandro Meira Ricci, então, conversou com o auxiliar e validou o gol, o que provocou revolta dos rubro-negros.

A partida ficou paralisada por 13 minutos, com jogadores, comissão técnica e diretoria de ambas as equipes dentro do gramado, até que Sandro Meira Ricci decidisse, enfim, anular novamente o gol. De fato, Henrique estava adiantado no lance, mas o Fluminense reclama de interferência externa (uso de imagem de TV) para a anulação do gol.

Fonte: VEJA.com

Curta Nossa Página no Facebook - Clique na Imagem