Publicidade
Publicidade
Publicidade 350x190
Publicidade 350x190

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Brasília: Eduardo Cunha articula ataques a deputados que querem a sua cassação

Compartilhar Notícia no Twitter e Facebook



Aliados de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) planejam um contra-ataque a parlamentares que trabalham para acelerar sua cassação no Conselho de Ética da Câmara.

Cunha, que foi afastado do mandato como deputado e da presidência da Casa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), é alvo do colegiado e pode perder o mandato por ter mentido ao negar ser dono de contas no exterior, como demonstram investigações da Lava Jato.

Pessoas próximas ao peemedebista elegeram o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) como alvo prioritário. Ele é um dos porta-vozes do movimento que prega a cassação de Cunha o mais rápido possível.

O plano da tropa de choque de Cunha é pedir a abertura de processo contra Delgado no Conselho de Ética, sob a alegação de que ele mentiu ao dizer que não recebeu recursos da UTC, uma das empreiteiras investigadas na Lava Jato, em 2014. A tese será sustentada por um registro da Justiça Eleitoral que aponta uma doação de R$ 100 mil para ele.

Os aliados de Cunha planejam usar uma fala de Delgado para sustentar que ele mentiu. Em discurso na CPI da Petrobras, em setembro de 2015, o deputado acusou o dono da empreiteira, Ricardo Pessoa, de ter mentido por citá-lo em delação como destinatário de dinheiro da empreiteira.

"Nem um centavo da sua empresa foi destinado à minha campanha de reeleição para essas eleições." Ele afirmou ainda que esteve com Pessoa como presidente do PSB de MG e que os R$ 150 mil doados pela empresa foram para o partido, mas que ele próprio não estava entre os beneficiários.

Na segunda parcial da prestação de contas de Delgado à Justiça Eleitoral, no entanto, consta uma doação de R$ 100 mil da UTC à sua campanha. O valor está registrado no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) como contribuição feita para o PSB de Minas e, depois, remetida ao deputado.

Procurado, o deputado voltou a negar a doação. Ele afirma que é alvo de uma "tentativa desesperada de levantar uma lebre que, graças a Deus, já está morta". Delgado afirma que houve um equívoco de seu contador na segunda parcial entregue à Justiça e que a prestação final de contas de sua campanha não traz a doação.

Delgado virou alvo da Lava Jato no STF após Ricardo Pessoa ter dito que ele recebeu R$ 150 mil da empresa graças a um acerto ilícito.

Fonte:Folha de São Paulo

Curta Nossa Página no Facebook - Clique na Imagem