Publicidade
Publicidade
Publicidade 350x190
Publicidade 350x190

terça-feira, 14 de julho de 2015

Internacional: Acordo nuclear com Irã é baseado em verificações, diz Obama

Compartilhar Notícia no Twitter e Facebook

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, celebrou o acordo nuclear fechado entre o Irã e seis potências mundiais, incluindo os EUA, nesta terça-feira (14), mas reforçou que ele não é baseado apenas em confiança entre os países, mas em verificações de que está sendo cumprido.

Barack Obama fala sobre o acordo nuclear com o Irã (Foto: Andrew Harnik/Reuters)

"Este acordo não está baseado na confiança. Está baseado em verificações. Os inspetores poderão ter acesso nas 24 horas do dia às instalações nucleares iranianas chaves", disse Obama.

"Todos os caminhos em direção a uma arma nuclear estão cortados", disse em um discurso à nação a partir da Casa Branca, acompanhado pelo vice-presidente Joe Biden. "Este acordo mostra que a diplomacia americana pode trazer mudanças significativas", acrescentou.

O discurso do presidente americano foi exibido pela TV estatal iraniana, segundo a France Presse. Esta é a segunda vez em 36 anos que a televisão pública transmite ao vivo o discurso de um presidente dos Estados Unidos, que rompeu relações diplomáticas com Teerã em 1979, ano da revolução islâmica.

Obama citou um de seus ilustres antecessores, John F. Kennedy - "Nunca negociamos sob a influência do medo, mas nunca temos medo de negociar" -, para ressaltar que o texto assinado em Viena demonstra que a diplomacia americana pode trazer "mudanças reais e significativas, mudanças que podem fazer com que este país e o mundo sejam mais seguros".

Obama, que considerava este acordo uma das prioridades de sua política externa, advertiu o Congresso americano contra uma eventual rejeição "irresponsável" do mesmo.

"Pensem no que poderia ter acontecido sem este acordo", disse, em uma mensagem aos congressistas, antes de insistir no risco que representaria uma corrida armamentista nuclear na "região mais instável do mundo".

"Não duvido nem por um instante que, dentro de 10 ou 15 anos, a pessoa que ocupar a Casa Branca estará em uma posição muito melhor com um Irã afastado das armas nucleares", completou.

Longas negociações
Os chefes da diplomacia do Irã, do grupo 5+1 (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia, China e Alemanha) e da União Europeia negociavam há 17 dias no palácio de Coburg da capital austríaca.

O anúncio representa uma grande vitória para Obama. Depois da reconciliação com Cuba, o presidente americano conquista um novo triunfo diplomático no final de seu segundo e último mandato.

Os países envolvidos concordaram com o texto final do acordo, que vai prevenir de maneira eficiente que o Irã obtenha uma arma nuclear e garantirá que o programa nuclear do país seja usado apenas para fins pacíficos.

Obama ressaltou o importante papel dos EUA como líderes nas negociações. “Temos o acordo hoje porque a América negociou. Nós paramos a disseminação das armas nucleares na região do Oriente Médio”.

Segundo o presidente americano, o acordo permitirá que a comunidade internacional possa verificar que o Irã não está desenvolvendo uma arma nuclear.

Obama detalhou outros aspectos do acordo, que prevê o fim das sanções internacionais contra o Irã assim que o país colocar suas obrigações em vigor. Entretanto, caso Teerã viole o plano, todas as sanções serão retomadas.

O presidente americano disse que o texto tem o apoio total da comunidade internacional.

Apesar de celebrar o acordo, Obama ressaltou que ele não resolve todas as diferenças entre EUA e Irã, e afirmou que Washington vai manter as sanções contra Teerã relacionadas a violação de direitos humanos.

Fonte: G1 São Paulo

Curta Nossa Página no Facebook - Clique na Imagem